cinco poemas de Aline Martins

capa_graoNietzsche

lágrima tem gosto de sal
eu sei
mas pode ter de sangue
e de morte também

eles contam os meus dias
pelos meus vales
mas eu
pelos meus montes

e lá de cima vejo os que me contam
tão pequenos me contam
tão sedentos me contam

e se atolam no lodo dos meus vales
e se banham na água fedida dos meus vales
mas não saem dali
não querem ir

não sabem que já me elevei
não podem me ver

caboclo bardo

caboclo bardo
de língua-foice
e o sangue estancado correu
pelo fio do riso
um rio se fez à margem dos olhos, então
e me coagulou assim de pena
numa travessia silenciosa
que o teu mar viu passar
viu o teu riso meu rio derramar
e mesmo bardo
caboclo não quis me salvar

calafeto

esse buraco no teu olho pr’eu tapar
mas minha estopa não dá

passa um vento frio
soprador que secou o rio
e nenhuma lágrima borda a face
nenhum disfarce
que triste

olho morto agora não me vaza mais
vento que varreu o meu cais

comunhão

madrugada fria
sinos badalam o silêncio

minha capela tem as portas cerradas
e dentro uma santa

quer pecar comigo
quer sujar o altar
vou comungar com ela

natureza morta

o seio nu
exposto
agora peça-mármore em tua sala
não te saliva mais a boca
não te lasciva mais os olhos
e nem te desespera mais o cio

resta a palavra

| poemas do livro Grão (Macabéa Edições, 2019). |

Aline Martins, poeta, também escritora de contos e prosa, nasceu em Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio de Janeiro, em 1970. Em 1992, mudou-se para a cidade carioca, onde cursou a Faculdade de Direito e estabeleceu-se definitivamente.

Mais em: https://www.macabeaedicoes.com/