escritor barato, tradução de r.l.almeida

“Paperback writer”, 1966. John Lennon & Paul McCartney

Dear Sir or Madam, will you read my book
It took me years to write, will you take a look?
It’s based on a novel by a man named Lear and I need a job
So I want to be a paperback writer!

_____It’s a dirty story of a dirty man
_____And his clinging wife doesn’t understand
_____His son is working for the Daily Mail, it’s a steady job
_____But he wants to be a paperback writer!

It’s a thousand pages, give or take a few
I’ll be writing more in a week or two,
I can make it longer if you like the stile, but I need a break
And I want to be a paperback writer!

“Escritor barato”. Outono de 2018. r.l.almeida @846r3

Senhoras e senhores levei tempo pra escrever
Está aqui meu livro, será que já viram vender?
É adaptação de teatro de um tal de rei Lear,
Preciso de um trabalho mas só sei ser é escritor barato

_____É uma história suja cheia de traição
_____A esposa e duas filhas o trancam, louco, no porão!
_____O filho dele, ele trabalhava no jornal
_____Um trabalho legal e ele larga tudo e vai ser escritor barato

Tem um milhar de folhas não pode pular nenhuma
Levo um tanto de tempo para escrever mais algumas
Posso aumentar os capítulos se lhe agradar uma porção
Escrevo qualquer outra coisa se for pra ser escritor barato

sobre o projeto

Site: https://pilulasdeperolasliterarias.wordpress.com/

Numa proposta de quebrar o código em que foi escrito, levando junto a regra que só é possível cantar o velho e bom rocknroll se você sabe inglês, é que surgiu a motivação para traduzir para o português as 193 músicas da banda de rock britânico The Beatles. Para o processo, que levou mais de 5 anos em imersão com os discos de estúdio, foram utilizadas as ferramentas da transcriação dos irmãos Campos, a teoria literária de Ezra Pound, e as experiências em língua portuguesa de Eduardo Bueno, Antonio Bivar e Lúcia Brito com o Pé na estrada, de Jacques Kerouac, e do professor Donaldo Schuler, com o Finícius revém, de James Joyce, e as várias versões em português das Flores do Mal: o que diferencia estes trabalhos é a excelência na tradução de um texto completo. Ainda, como baliza do processo, também foi feito uma primeira versão em português de outros musicistas, peças soltas da produção de Jimmy Hendrix, David Bowie, Bob Dylan, Bob Marley e Pink Floyd. Experiências livres, sem levar em consideração o contexto da peça que está inserido: o fonograma comercial.

sobre a música

“Paperback writer” é uma canção da dupla Paul McCartney e John Lennon, com primeira gravação no single de 1966. Foi canção-título do single, dividindo o disco com “Rain”, outra canção que também nunca chegou a nenhum dos 13 discos que o grupo The Beatles lançou, durante sua existência. A música tem 2 min e 25 s de duração, e é composta de refrão-nome da faixa, e três versos, em que se discorre o cotidiano do mais simples ao mais erudito literófilo, que também é escritor: a dicotomia escritor X leitor.

É uma alusão aos primeiros anos de formação da banda, quando estavam em turnê pelos bares de Hamburgo, na Reeperbahn. “Paperback” é o que está nas ruas, e a mais barata encadernação do mercado, tendo em mente a relação custo/benefício na impressão de folhetins. E de enlatados. O “escritor barato”, no caso, é a figura do que escreve muito, prolixamente, sem um motivo maior do que as moedas do soldo. Aqui, ele pirateia até mesmo Shakespeare. Ou melhor dizendo: ele começa sua jornada com isto.

r.l.almeida atua em plataformas de som, filme, dramaturgia e literatura. Professor em tempo integral, é pesquisador em línguas e literaturas como aluno ouvinte em programas de pós-graduação, e também agente cultural pela Prefeitura Municipal de São Carlos. Bacharel em Letras e Literatura pela UNESP/FCLAr, em sua produção junta o apreço pelo texto às outras plataformas. Estreou em tradução em 2010 com Rolíúdi, de Charles Bukowski.