três poemas de Ramon Nunes Mello

CANTO SOBRE AS RUÍNAS DA CIDADE
(OU CLAMOR AO POVO DA MATA)

para Amora Pera e Pedro Rocha

no meio do rio
enxergamos apenas os
escombros de uma cidade em ruínas
onde dançamos nosso medo e
revolta

sem saber
___________________________________para onde ir?
o poeta dançarino
foge para o coração da mata
clama por proteção
oke oke oxóssi

caboclo senhor da floresta
abra um caminho de
autocompreensão
entre os restos de
nós mesmos

sem rumo nem memória
___________________________________vagamos
entre as cinzas
de um futuro incerto
agora com o arco e flecha
na mão
o poeta cantador toca seus tambores
para chamar o povo de rua
o povo nas ruas
traz a história no verso
no canto no grito
ri ro ewá

bela virgem rainha do céu estrelado
e do cosmos que xangô se apaixonou
senhora da vidência e criatividade
mãe floresta levante a força
do feminino
nossos sonhos de séculos
não estão destruídos
cada mosaico dessa história
está em suas
raízes

procuramos a terceira margem
do rio pensamos que
___________________________________estamos sós
até ouvir seu canto
como uma oração

de resistência

MICRO UTOPIAS EFÊMERAS E TEMPORÁRIAS
(OU O VOO DE UMA BORBOLETA AO MEIO DIA)

para Guilherme Zarvos

uma borboleta entrou
na sala, ao meio dia, mas todos estavam muito ocupados para enxergá-la
chegou devagar, batendo suas asas coloridas, sobrevoou o computador da diva, que assistia vídeos de instrução de crochê
pousou por alguns segundos na mesa da flávia, sobre as flores quase pálidas com a tristeza da longa semana
era um voo fora do tempo, lento, cantava algo incompreensível, mas ana paula conseguiu ouvir, sorriu para christine em cumplicidade
de quem confidencia um segredo de vidas passadas
parem, uma borboleta entrou na sala, gritei
levantei, gritei, disse que é impossível continuarmos assim, ou vamos adoecer
um silêncio foi criado a minha volta
ainda assim ninguém enxergou a borboleta, a cada bater de assas abria-se uma janela no tempo, enxerguei algo que não sei descrever, sei apenas que era belo e colorido
parei em uma imagem, dançávamos sobre os escombros, dançávamos e chorávamos
entre as ruínas do nono andar do prédio
o que faz aqui, como ousa dançar entre nós?
planilhas, prazos e previsões do mês, tudo picotado diante da beleza
de uma borboleta
olha, leila, ela está cantando aquela canção
escuta
o que é aquele desenho em sua asa?
será que pode me levar para longe daqui?
ouço batidas de um tambor, era o andré, em seu retiro
silêncio, o douglas na aldeia afukuri
subi na mesa, gritei: uma borboleta entrou na sala
está aqui, a dançar e cantar entre nós
cantar? sim, ela canta vozes de um outro tempo
de repente, parou sobre meu ombro
não consegui reagir
uma borboleta pousou sobre mim
dancei naquela sessão, entre os nossos medos, dancei
e parti com ela, em pleno voo
eram tantas verdades, tantas bandeiras, que ninguém se deu conta
da borboleta, e de mim.

EU SOU UMA IDEIA
A EPOPEIA DE UM PRESIDENTE PRESO POLÍTICO

EU SAIREI
dessa
MAIOR MAIS FORTE MAIS VERDADEIRO E INOCENTE
porque eu quero cobrar que eles é que cometeram
um crime
CRIME POLÍTICO
perseguirumhomemquetemcinquentaanosdehistóriapolítica
eu sou o
ÚNICO
que sou processado por um apartamento que não é meu

NÃO OS PERDOO
por ter passado
para a sociedade a ideia de que sou um
ladrão
(LULA LADRÃO ROUBOU MEU CORAÇÃO!)

quanto mais me atacarem
MAIS CRESCE
minha relação com
O POVO BRASILEIRO
sonho de consumo deles é
que eu não seja
CANDIDATO
o outro é a foto da minha prisão
imagino o tesão
da veja
da globo
eles vão ter orgasmos múltiplos
crime?
colocar pobre na universidade
negro na universidade pobre comprar carro
pobre andar de avião
(LULA LIVRE!)
se esse é o crime que eu cometi eu vou continuar sendo criminoso
EU VOU FAZER MUITO MAIS

tenho a impressão que
SOU UM CONSTRUTOR DE SONHO

EU SONHEI

que era possível governar esse país
envolvendo milhões e milhões de pessoas
POBRES NA ECONOMIA
envolvendo milhões de pessoas nas universidades
criando milhões e milhões de empregos nesse país

EU SONHEI
que era possível
um metalúrgico sem diploma de universidade
cuidar mais da educação do que
os diplomados e concursados que governam esse país
(LULA LIVRE!)
EU SONHEI
que era possível a gente
diminuir
a mortalidade infantil
levando leite feijão arroz
para que as crianças pudessem comer
todos os dias
EU SONHEI
que era possível pegar os estudantes
___________________________________________________de periferia
e colocar NAS MELHORES UNIVERSIDADES desse país
para que a gente não tenha
juiz e procurador
só da elite
daqui a pouco nós vamos ter
juízes e procuradores nascidos na favela de heliópolis
nascido em itaquera nascido na
periferia

VAMOS TER MUITA GENTE
dos SEM TERRA DO MST DA CUT formado
esse crime eu cometi
(LULA LIVRE!)
não é fácil o que sofre minha família
o momento de
MAIOR INDIGNAÇÃO QUE UM SER HUMANO VIVE
não é fácil
que sofrem meus filhos não é fácil
o que sofreu
MARISA
a antecipação da morte foi
SAFADEZA & SACANAGEM
IMPRENSA &MINISTÉRIO PÚBLICO
fizeram contra ela
EU TENHO CERTEZA
companheiros
RESOLVI LEVANTAR A CABEÇA

TRF-4 MORO LAVA JATO GLOBO
têm um sonho de consumo

O GOLPE

(LULA LIVRE!)
não terminou
com
DILMA
O GOLPE
só vai concluir quando
convencer que o LULA não possa ser candidato da
REPÚBLICA em 2018

(LULA LIVRE!)
ELES NÃO QUEREM O LULA

o sonho de consumo deles é a fotografia do Lula preso
eles decretaram
minha prisão
EU VOU ATENDER O MANDADO DELES
eu vou atender
porque eu quero fazer a transferência da responsabilidade
eles não sabem que
O PROBLEMA DESSE PAÍS NÃO SE CHAMA LULA
o problema desse país
A CONSCIÊNCIA DO POVO
partido dos
trabalhadores pc do b mst mtst

eu não pararei
porque eu não sou mais um ser humano

EU SOU UMA IDEIA

misturada
com a ideia de
vocês
eu vou cumprir o mandado
vocês vão ter que se transformar
cada um de
vocês
(LULA LIVRE!)
não vão mais chamar
chiquinha joãozinho zezinho robertinho
TODOS VOCÊS
daqui pra frente
VÃO VIRAR LULA
e vão andar por esse país

quantos mais dias eles me deixarem lá
mais
LULA VAI NASCER NESSE PAÍS
mais gente vai querer brigar
porque
DEMOCRACIA NÃO TEM LIMITE

(LULA LIVRE!)

eu não estou
[escondido]
eu vou lá na barba deles
não tenho medo
não vou correr
VOU PROVAR A MINHA INOCÊNCIA

(LULA LIVRE! LULA LIVRE! LULA LIVRE!)

Luiz Inácio LULA-LIVRE da Silva
Brasil, 07 de abril de 2018
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, São Paulo,
durante ato em homenagem à ex-primeira-dama Marisa Letícia

Ramon Nunes Mello (Araruama/RJ, 1984) é poeta, escritor, jornalista. É autor dos livros de poemas Vinis mofados (2009); Poemas tirados de notícias de jornal (2011) e Há um mar no fundo de cada sonho (2016). Publicou o infantil A menina que queria ser árvore (2018), em parceria com o artista André Cortês. Organizou, entre outras obras, Ney Matogrosso — Vira-Lata de Raça (2018), Escolhas (2009), uma autobiografia intelectual de Heloisa Buarque de Hollanda, com quem coorganizou Enter, antologia digital (2009); em parceria com Marcio Debellian, Maria Bethânia guerreira guerrilha (2011), de Reynaldo Jardim; e Tente entender o que tento dizer: poesia + hiv / aids (2018).