cinco poemas de Susanna Busato

postes

Na resistência da tarde
espreito esquinas:
solitários, os postes se
entreolham se
desejam nas
vielas e
virilhas

a lâmina da manhã

A aranha a lã alcança
arranha e lança
na pele as finas
camadas de esperança.

horizonte de espelhos

colunas e conchas
água clara
seios
no chão as curvas
de um sol navegam
sua ilha
clitoriana gruta
horizonte de espelhos
superfície ao reverso

marugem

As coisas surgem
do caule da gente
insurgem
marugem
de esponjas
quais monjas
silenciosas

exercício

Exercício das facas:
com as faces voltadas
para dentro da carne
doar-se
até que a dor conduza o ato,
até que o fato se consuma,
até que a aguda flor se foda
em talo e folha e ruínas.

Susanna Busato (1961-) é paulistana, poeta (finalista do Prêmio Jabuti de Poesia de 2014, com o livro Corpos em cena) e professora de Poesia Brasileira na Universidade Estadual Paulista (UNESP), câmpus de São José do Rio Preto-SP. Coordenadora do Grupo de Estudos de Poesia — GEP/CNPq (leituras, pesquisas e recitais de poesia). Coordenadora da pesquisa “As performances da voz no espaço da poesia brasileira contemporânea”. Participou do Recital de Poesia Multitudo Haroldo de Campos (2011), no Instituto Itaú Cultural, em São Paulo, e do Recital de Poesia Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros. Roteiros (2012) (homenagem ao poeta modernista Oswald de Andrade), por ocasião do Festival Literário Internacional de Paraty (FLIP). Tem poemas publicados em várias revistas de literatura como Brasileiros e Mallarmargens.