perdi você de vista ao anoitecer

Eu sempre suspeitei que Rafael tivesse uma forte identificação com a morte. Todas as suas falas mórbidas de poeta maldito, todo aquele ar de sofrimento impregnado em seu ser, tanta tristeza. Era fácil prever que isso aconteceria uma hora ou outra, mas a gente sempre pensa que sentimento exagerado pelo o que quer que seja é frescura. Ser surpreendida com seu corpo pendente, balançando levemente como um galho arejado pela brisa suave, me deixou atônita, eu não soube como reagir no primeiro instante! Minha reação nada convencional foi pegar uma garrafa de uísque que ele mantinha guardada dentro de uma gaveta junto com uma papelada de documentos e beber um gole guloso que me desceu queimando pela garganta até incendiar meu estômago. Sentei-me na poltrona e contemplei por um momento breve o corpo feito o pêndulo de um relógio antigo, marcando o momento exato da transição do crepúsculo para a noite.

Mikaelly Andrade é contista e poeta. Responsável pela criação de dois projetos literários: o Mulheres na Literatura e o Escritoras Cearenses. Integra a Antologia de Contos Literaturabr (Editora Moinhos, 2016) e em breve lançará seu primeiro livro. Assina o blog Mika Escreve.