rainha em trapos

“Rainha em trapos”, chamavam-na. Antes andarilha, assentava-se agora em trono xexelento, lixo cenográfico de alguma companhia de teatro. A qualquer que passasse perto dela, encarando-a, concedia retribuir um sorriso condescendente e um aceno de mão, entendendo que a ela agradeciam algum favor.

Antes da aurora, levantava-se e ordenava ao sol que amanhecesse; antes do ocaso, o contrário: que anoitecesse. Em certa data, por capricho, decidiu que não haveria nem raiar nem cessar de raiar naquele dia, e ordenou ao Sol que nem ousasse despontar. Negou-se o Sol a obedecer simplesmente cumprindo seu diuturno trajeto.

— A esse rebelde, matem-no!

Daniel Batista de Siqueira trabalha atualmente como professor da rede pública do Estado de São Paulo.