você não se importa com minha obsessão por sylvia plath

seu olhar de pena(s)
e a vontade que eu tenho de te afogar (sufocar?)
na areia do jardim de infância
antes
a distração de ser uma boa esposa
o desprezo reconfortante atravessando o ruído dos eletrodomésticos
e as orquídeas
mas ainda essa vontade de te sufocar (afogar?)
na areia do jardim de infância
dois beijinhos
você não nota a imagem pornográfica
e o cadáver da nossa ternura soterrado na poeira
finíssima
nossas ficções
casas de aranhas
que importa?
é ainda com grande doçura que me lembro
de mamãe escaldando sapos no quintal

(do livro É preciso dançar na língua dos predadores, editado pela Oito e Meio: 2016)

Ana Beatriz Rangel é formada em jornalismo pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde atualmente desenvolve uma pesquisa de mestrado sobre as narrativas dos movimentos feministas contemporâneos. Nasceu em Campos dos Goytacazes em 1991 e desde 2009 mora no Rio de Janeiro.